Existe mesmo Cristofobia?

Existe mesmo Cristofobia?
23/10/2020

“Se o mundo odeia vocês, lembrem que ele me odiou primeiro. Se vocês fossem do mundo, o mundo os amaria por vocês serem dele... O empregado não é mais importante do que o patrão. Se as pessoas que são do mundo me perseguiram, também perseguirão vocês”. Essas foram as palavras de Jesus
no primeiro século, registradas pelo apóstolo João no seu evangelho. 1 Isso ecoa como um lembrete para os cristãos de todas as épocas: se formos piedosos em seguir os passos do nosso Mestre, provavelmente seremos perseguidos, pois várias posturas bíblicas e cristocêntricas, não se coadunam com práticas e costumes seculares.

Essa semana, o Papa Francisco deu um passo em direção à aceitação da união civil de pessoas do mesmo sexo, pavimentando um caminho já em andamento, de reformulação do conceito bíblico de família, que é monogâmico e heterossexual. 2 Resguardada a diferença entre direitos civis e liberdade religiosa, essa luta por igualdade tem se mostrado promissora na supressão da liberdade de expressão quando o assunto é religião e cristianismo.
 
Desde a recente declaração do presidente Jair Bolsonaro na ONU, sobre perseguição aos cristãos no mundo, usando o termo “cristofobia”, a discussão se acendeu, levando até grandes veículos de comunicação depreciarem a fala, tirando-a do seu contexto original. Eisegese3 jornalística?4 Parte da imprensa e alguns analistas políticos ignoraram solenemente, que o objetivo do discurso era dar voz aos milhares de cristãos diariamente perseguidos, no mundo e que não são defendidos ou pelo menos ouvidos, inclusive na ONU.
 
Uma rápida pesquisa no site, Missões Portas Abertas5, nos mostra que nos últimos anos, a perseguição aos cristãos aumentou deliberadamente, corroborando a natureza e a necessidade dessa fala em favor do Cristianismo, levando em consideração que o próprio Papa Francisco, autoridade máxima do catolicismo romano, tem sido omisso na defesa clara e contundente dessas pessoas.

Talvez o termo “cristofobia” não seja o ideal, defendem alguns, o melhor seria “cristianofobia”. O fato é que, além dos países socialistas e islâmicos que tradicionalmente sempre perseguiram cristãos, temos visto pessoas em vários países da América Latina, associados a uma política mais progressista, vandalizarem prédios cristãos, vilipendiarem símbolos religiosos e queimarem igrejas históricas como no Chile, como uma suposta reparação histórica e uma pretensa luta pela igualdade. As palavras de Jesus escritas por João nunca foram tão reais e dignas de uma releitura. O respeitado jurista brasileiro Ives Gandra da Silva Martins já alertava para esse fenômeno, o crescimento da perseguição aos cristãos, em 2012.6

Temos relatos recentes como o do Pr. Richard Wurbramd7 e Corrie Ten Boom8 sobre as condições cruéis sofridas por igrejas, ministros e crentes em geral, perpetrados por regimes socialistas do século XX, que na busca do
deus-Estado e de uma suposta igualdade, desprezaram os princípios bíblicos mais básicos como respeito à vida, as pessoas, a família e as instituições que passaram no teste do tempo. Na busca da “igualdade” estamos perdendo a “liberdade” que foi outorgada principalmente pelos países cristãos do Ocidente.

Estamos próximos do tempo em que a nossa redenção se aproxima? Nuvens cinzentas se formam num horizonte próximo, mais do que nunca precisamos olhar para o alto de onde virá o nosso socorro!!! Ora Vem, Senhor Jesus!!!
 

6 https://wallysou.com/2012/02/25/cristofobia-palavra-nova-coisas-antigas-crueis/.
7 (https://www.jornaldacidadeonline.com.br/noticias/22018/richard-wurmbrand--o-homem-que- desafiou-o-comunismo)
8 (https://chamadoparanacoes.wordpress.com/2014/05/12/a-vida-e-o-testemunho-de-corrie-ten- boom-refugio-secreto/)

Mario Gonçalves
Presbítero da IEADJO
Professor da EBD e CCOM
Licenciado em História e graduando em Administração pela UFSC

 

Demétrio Daniel dos Santos Ferreira
Obreiro da IEADJO, Locutor na Rádio 107,5 FM. Jornalista - MTB SC 6144 JP

Comentar

3 + 4 =
Para evitarmos "spams". Resolva esta simples operação matemática. Exemplo: 1+3, digite 4.